Custo de mão de obra: saiba como ela impacta nas finanças da construção civil

Quando falamos sobre algum projeto de construção civil, um dos fatores mais importantes para que ele seja realizado com sucesso é a mão de obra. Para que tudo funcione da maneira que deveria, é muito importante que exista um bom planejamento de custos, priorizando as especialidades e entendendo qual a melhor forma de gerenciar os custos e as finanças de uma obra. Você sabe de que forma o custo de mão de obra pode impactar nas finanças da construção civil? Descubra que tudo sobre esse assunto para que o seu planejamento possa ficar ainda melhor!

Entendendo o que é mão de obra

Antes de começar a planejar, é muito importante que todos os aspectos desse tema estejam claros. Por mais que pareça ser um conceito fácil de entender, existem algumas especificações que devem ser consideradas como, por exemplo, a diferença entre mão de obra direta e mão de obra indireta. Além disso, é importante saber quais são os elementos que entram no custo da mão de obra, como salários, benefícios e impostos. Para que possamos nos aprofundar um pouco mais, vamos conhecer a diferença entre os dois tipos de mão de obra.

Qual a diferença entre mão de obra direta e indireta?

A mão de obra direta, como o nome já diz, é a mão de obra em que os funcionários estão responsáveis por realizar o trabalho que tem relação direta com a produção daquele serviço. No caso da construção civil, são os funcionários que trabalham diretamente na construção da obra. Esse tipo de mão de obra permite com que seja mensurado, do ponto de vista contábil, qual foi a quantidade necessária para a produção de cada elemento.

Já mão de obra indireta tem relação com atividade de supervisão e apoio à produção. Geralmente são os funcionários responsáveis pela manutenção de máquinas, limpeza, supervisão, segurança de equipamentos e do ambiente. O trabalho da mão de obra indireta é necessário para que a mão de obra direta funcione de maneira correta e consiga entregar todos os itens pedidos dentro do prazo. Mas, ao contrário da mão de obra direta, é difícil mensurar quantos funcionários foram necessários para a realização de cada elemento ou até mesmo quanto tempo foi necessário para realizar essas atividades.

Como é calculado o custo desses dois tipos?

Como foi dito na caracterização acima, o custo mais fácil de ser calculado é da mão de obra direta, uma vez que os funcionários estão ligados diretamente a produção. Na hora de realizar o cálculo desse custo, é levado em conta o salário, os encargos trabalhistas e todos os benefícios que são destinados a esses funcionários, como plano de saúde, vale alimentação e vale transporte. Depois disso, você deve dividir o valor total dos custos pelo número total de horas que foram trabalhadas. O resultado dessa conta será o custo por hora da mão-de-obra direta.

Já o cálculo da mão de obra indireta, como não tem relação direta com a produção, possui uma maneira mais complicada de ser calculada. Geralmente é usado pelos empreendedores um método de divisão proporcional para que se chegue um custo aproximado dessa mão de obra, por hora.

Porque a realização desse cálculo é importante?

Quando falamos sobre o cálculo de mão de obra direta e indireta, estamos querendo calcular como ela impacta nas finanças da construção civil. Isso significa entender e identificar qual a capacidade produtiva que aquele projeto possui, pois a qualidade e a eficiência da realização de uma obra tem relação direta com a capacidade dos profissionais que estão trabalhando nela.

Saber escolher e entender o impacto que a mão de obra tem dentro do seu projeto garante uma boa execução e também uma ótima produtividade, contendo imprevistos e trabalhando com uma resolução rápida e criativa de obstáculos, com o objetivo de causar o mínimo possível de danos para a obra e para o cronograma. Com a mão de obra certa e os melhores talentos, a um preço que seja compatível com seu orçamento, é possível permitir que os funcionários contribuam de maneira favorável e acabem agilizando processos que levariam muito tempo ou que até mesmo precisariam de retrabalho.

Como usar esse cálculo a seu favor e planejar uma mão de obra com impacto positivo?

Para realizar a gestão das finanças da construção civil com sucesso, separamos algumas dicas que podem te ajudar a realizar esse planejamento e ajudar a sua equipe, de forma que o trabalho seja feito com mais qualidade e em menores prazos.

Primeiramente, é muito importante ter precisão e detalhar todos os recursos gastos no orçamento. Um dos grandes riscos que a construção civil corre é de o gasto ser maior que o dinheiro planejado. Para que isso não aconteça, todos os gastos devem ser detalhados de maneira que a gestão tem uma boa ideia de quanto ela ainda pode gastar e por quanto tempo.

Procure analisar a mão de obra especializada de maneira estratégica, para que a obra ou a tarefa possa ser realizada por profissionais capacitados que conseguem agilizar e otimizar processos, coisa que outros tipos de profissionais sem a devida especialização levariam muito tempo para fazer. Isso otimiza o tempo da obra e de toda a operação.

Mas é importante saber que não é preciso somente uma mão de obra qualificada, as pessoas devem ter condições de trabalho e ferramentas adequadas para que tudo possa ser realizado de maneira mais eficaz. Em muitos casos, a simples ação de trazer o material para mais perto de onde ele está sendo trabalhado já economiza tempo e pode acabar fazendo com que toda obra ganhe dois ou três dias de sobra. Pequenos detalhes podem fazer a diferença.

Se você gostou desse tipo de texto e quer saber mais sobre como controlar e até mesmo gerir as suas finanças da construção civil, além de fazer orçamentos de qualidade sem deixar de levar nenhum fator importante em consideração, confira mais textos em nosso site. No caso de dúvidas, entre em contato conosco! Temos uma equipe qualificada pronta para responder todas as suas perguntas.